A volta das voltas. Chegamos, partimos e lá voltamos sempre!

19
Ago 09

No dia 14 deste mês de Agosto fez 577 anos que morreu em Lisboa D. João I, “O de Boa Memória”. Foi o primeiro Rei da dinastia de Avis, tendo sido consagrado Grão – Mestre da Ordem de Avis em 1364.
Nada fazia prever que viria a ser Rei, mas, a ganância de uns e a maldade de outros, (parecido com o que acontece nos nossos dias) fizeram com que assim acontecesse.
O destino do Mestre de Avis, começa a ser traçado quando chega à corte de D. Fernando I, de quem era irmão bastardo, D. Leonor Teles de Menezes que, viria a conseguir casar com o Rei e assim a tornar-se Rainha de Portugal. Esta mulher, a quem chamaram muitos nomes; A dama maldita, rosa brava, adúltera, intriguista, traiçoeira, rameira, mas também a flor de altura e a formosa Leonor Teles, quando chegou à corte em Lisboa, era casada com um morgado do norte chamado João Lourenço da Cunha. D. Fernando estava prometido em casamento a D. Leonor de Castela, Filha de D. Pedro I de Castela, mas, em resultado da proximidade da ambiciosa Leonor Teles de Menezes que, como já vimos, não era de se deitar fora, o Rei consegue livrar-se do compromisso com Castela, consegue que anular o casamento de D. Leonor Teles com o morgado e, em segredo, casa com ela nos arredores do Porto, mais precisamente no Mosteiro de Leça do Balio, a 15 de Maio de 1372.
Os nomes que chamavam à Rainha, tinham razão de ser e, não tarda muito, ela começa a manobrar o Rei e consegue moldá-lo a seu jeito, depois arranja um amante (porque era mulher de muito sustento) o célebre Conde de Andeiro e, finalmente, consegue encaminhar as coisas de forma que o Rei não viva muitos anos e morra em 23 de Outubro de 1383. Ela fica com a regência do reino ao lado do galego Conde de Andeiro em nome da filha D. Beatriz e do seu marido D. João de Castela.
O Povo e uma parte considerável do clero e da nobreza não aceitaram a situação, e, depois de um interregno de 2 anos em que as lutas foram muitas, incluindo a prisão de D. Leonor Teles e a execução do Conde de Andeiro, a 6 de Abril de 1385, o Mestre de Avis é proclamado o 10º Rei de Portugal com o nome de D. João I, iniciando-se assim, a dinastia de Avis. A situação só ficaria calma mais tarde porque entretanto D. João de Castela invade Portugal, acontece a derrota do exército Castelhano em Aljubarrota no mês de Agosto, D. Nuno Álvares Pereira é aclamado Condestável do Reino e, feita a paz com Castela, ficam criadas as condições para o Reino progredir.
Em 1387 D. João I casa com D. Filipa de Lencastre, selo da mais velha aliança do mundo, a Luso-Britânica e, com os filhos que vêm a seguir, começa a constituir-se a “Ínclita Geração”, como lhe chamou Camões. Na verdade foi o começo dum período muito rico da História Portuguesa.
D. João I, um dos grandes reis portugueses, está sepultado no Mosteiro de Santa Maria da Vitória na Batalha.
SBF
(Dicas: “Rosa Brava” de José Manuel Saraiva e “Eu, Leonor Teles” de María Pilar Q Del hierro. Gravura: Wikipédia)
publicado por voltadoduche às 01:12

Novembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
26
27
28

29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

D. JOÃO I DE PORTUGAL

mais sobre mim
pesquisar
 
DESDE 14.06.2009
Free Counter
Free Counter
PELO MUNDO FORA DESDE 28.10.2009
Locations of visitors to this page
blogs SAPO