A volta das voltas. Chegamos, partimos e lá voltamos sempre!

19
Abr 12

Desde ontem que está disponível o “Dicionário das crises e das alternativas” editado pelas “Edições Almedina” e autoria do “CES-Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra”, com prefácio do Professor Boaventura de Sousa Santos.

 

Esta obra coletiva, de indiscutível interesse, permite que, de forma muito acessível, entendamos muitas expressões utilizadas neste tempo atribulado e “troikado”. A propósito, vejam só o que Teresa Cravo escreve sobre a tão propalada e abusada “Ajuda Externa”:

 

«Particularmente evidente no caso de Portugal, o discurso dominante da “ajuda” para se referir à ação da troika camufla uma situação que deveria, na realidade, por empréstimo não-concessional, com juros entre 4% e 5% que podem vir a atingir metade do financiamento externo. A ideia de “auxílio” não só engrandece os credores, como esconde a principal motivação de intervenção externa: a salvaguarda dos seus próprios interesses económicos – evidenciada pelos países que suportam a maior parte do empréstimo serem aqueles mais expostos a uma eventual falência do Estado português.»


Na relação normal de negócio o BCE empresta à banca a 1% e um ou outro Estado da zona euro consegue financiar-se a menos de 1%. Como se pode chamar “ajuda”, a empréstimos com juros de 4% ou 5% como o que estamos a pagar?

 

Comprem o dicionário, só custa três euros com o JL ou Visão.


Silvestre Félix

publicado por voltadoduche às 23:06

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
13
14

15
16

22
26
27
28

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO