A volta das voltas. Chegamos, partimos e lá voltamos sempre!

18
Fev 12

Desde a primeira hesitação da UE na resolução da situação grega que o ataque dos “mercados” nunca mais parou e ninguém pode saber quando e como vai parar.

 

A crise agrava-se, mês após mês e Conselho após Conselho, sem que os mandantes europeus arrepiem caminho e corrijam a “doze” de austeridade.

O doente não morreu do mal mas está a morrer da cura. Nenhum dos remédios melhorou o que quer que fosse, antes o contrário.

 

A derrota eleitoral de Sarkozy nas próximas eleições Abril/Maio e a consequente vitória do candidato socialista, fazendo (alguma) fé em todas as sondagens a respeito, pode alterar duma forma radical e já a curto prazo, a política da Europa.

 

Nestes dias voltamos a ouvir falar dos tempos da proposta do PEC IV e dos momentos que antecederam a decisão de Sócrates anunciar o pedido de intervenção da troika. Claro que é impossível saber como estaríamos agora se esse pedido não tivesse sido feito naquela altura. A Itália e a Espanha também já tiveram os juros a caminho dos 7% e voltaram a baixar. Embora também estejam no corte e tenham descido alguns níveis de “rating”, não estão sujeitos ao colete da troika.

 

Todos os portugueses querem que se acenda a luz ao fundo do túnel. Os meios para chegar ao interruptor é que são diversos. Existem caminhos paralelos, é preciso juntá-los para depressa lá chegarmos.


Silvestre Félix

publicado por voltadoduche às 19:36
tags: ,

Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14

22
24

26
29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
DESDE 14.06.2009
Free Counter
Free Counter
PELO MUNDO FORA DESDE 28.10.2009
Locations of visitors to this page
blogs SAPO