A volta das voltas. Chegamos, partimos e lá voltamos sempre!

17
Fev 12

Do “ADN“ da democracia portuguesa fazem parte as suas Forças Armadas. O que não falta por aí é quem queira decantar este elemento (FA) para, 38 anos depois, conseguir finalmente separar o composto «Forças Armadas+Povo» isolando-os, para melhor os controlar.

 

Não gosto, como a larga maioria dos portugueses não gostará, de ver os seus militares manifestarem-se na rua, para “governo ouvir”. Como já todos percebemos, os diligentes governantes têm feito declarações despropositadas e, algumas delas, desrespeitosas para as organizações associativas, levando os militares a reagirem na defesa do seu caráter.

 

Que se assuma, duma vez por todas, o que se quer das nossas Forças Armadas. Abram o jogo e cumpram as regras.

 

Tem o Governo condições e competência para fazer uma verdadeira reforma da Instituição, ou não? Os militares estão cientes que muitas coisas têm de mudar mas querem ser ouvidos e respeitados.

 

A “bola” está do lado da tutela. Que a “jogue” sem encostar os militares demasiado à parede.


Silvestre Félix


Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14

22
24

26
29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
DESDE 14.06.2009
Free Counter
Free Counter
PELO MUNDO FORA DESDE 28.10.2009
Locations of visitors to this page
blogs SAPO