A volta das voltas. Chegamos, partimos e lá voltamos sempre!

03
Jan 12

Ano vai, ano vem…

 

Neste tempo terreno os anos gastam-se e não se renovam. Aqueles rostos que por mim passam com as rugas mais acentuadas clicam a contagem automática. Eu também por lá passo e sinto que…

 

os anos vão e os anos vêm, gastam-se e não se renovam.

 

E, para qualquer lado que me vire, dou de caras com um político que fala, com um analista que analisa e uma dúzia de comentadores que comentam. Falam, falam e já ninguém os ouve e muitos menos alguém retém alguma frase, alguma ideia.

 

Ano sai, ano entra…

 

ontem, anatomia viçosa, hoje rugas e curvatura de costas.

 

Em qualquer Natal, em qualquer ano que vem, falam, falam como se alguém acreditasse muito no que dizem. Nunca cumprem e até se esquecem que já prometeram ou já se lamentaram do mesmo há décadas.

 

Ano vai, ano vem…

 

e nem uma luzinha ao fundo do túnel…

 

Silvestre Félix

publicado por voltadoduche às 17:10

Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

17
18
19
20




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO