A volta das voltas. Chegamos, partimos e lá voltamos sempre!

01
Mar 11

Demorar 13 anos para formalizar a acusação de rapto qualificado sem que entretanto tenha surgido algum dado novo, é incompetência a mais.

 

Nestes dias não se tem falado de outra coisa. O desaparecimento de Rui Pedro em 1998 com 11 anos, não foi razão mobilizadora para a polícia fazer o que lhe competia – investigar!

 

Por muitas explicações que tentem dar agora, a polícia e o Ministério Público não conseguem convencer ninguém de que não houve muita coisa a correr mal.

 

Os pais do Rui Pedro nunca desistiram e, aquando do caso da menina inglesa no Algarve, exigiram os mesmos meios para a investigação do paradeiro do filho. Claro que as provas do eventual crime terão entretanto desaparecido e será muito difícil descobrirem agora o que aconteceu naquele dia 4 de Março de 1998.

 

Os nossos investigadores e as instituições que tutelam a justiça em Portugal, continuam a somar pontos negativos nesta sua caminhada para o abismo.

 

Silvestre Félix

publicado por voltadoduche às 16:58
tags:

Março 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9



29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO