A volta das voltas. Chegamos, partimos e lá voltamos sempre!

29
Ago 09

 

Programa para cá, programa para lá, e é sempre a mesma treta – os do clube, defendem o(a) chefe com unhas e dentes, tudo o que vem dele(a) é o melhor do mundo e resolve todos os problemas, os do outro atacam sempre o adversário, também defendem o(a) chefe com unhas e dentes, e o seu programa é que vai fazer os portugueses mais felizes e com uma qualidade de vida de se lhe tirar o chapéu. De A a Z, usam todos a mesma cartilha.
Os portugueses não precisam de programas eleitorais elaborados nos gabinetes, com o “profundo” objectivo de prometer coisas e ideias (promessa, no “dicionário” da política partidária, não significa que se cumpra), o que precisamos é de posturas verdadeiramente competentes e honestas para levar o País ao nível dos melhores.
O cidadão comum não vai ler programa nenhum, logo, não é por aí que os partidos têm mais ou menos votos. Há meia dúzia de pressupostos que influenciam a opção de voto, e, entre eles, a frequência com que o(a) candidato(a) aparece nas televisões e a intensidade e o descaramento na demagogia. É mesmo verdade que a comunicação social tem muito poder. Tem tanto, que até consegue influenciar a eleição ou a derrota de um candidato.  
Sei que os partidos são o suporte do nosso regime democrático, mas, não nos fica mal, querermos que os partidos sejam melhores, e que, acima de tudo, defendam os interesses da sociedade e não, só, do seu clube.
SBF
publicado por voltadoduche às 17:02

Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
15

16
17
22

23
28



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO