A volta das voltas. Chegamos, partimos e lá voltamos sempre!

05
Dez 11

Muito se tem falado nos últimos dias do carro de 86 mil euros que transporta o ministro da Solidariedade e Segurança Social. A demagogia, por regra, tem sempre dois sentidos e, neste caso, não foge porque a questão não está neste ou naquele ministro, neste ou naquele governo.

 

Não está certo que, demagogicamente, se mostre um comportamento austero mesmo quando a situação não o justifica ou se ostente a riqueza quando, à volta, se “respira” pobreza.

 

Os “extremos tocam-se” e “no meio é que está a virtude”.

Também se sabe que a frota automóvel usada pelo Estado é, nestes tempos, na sua quase totalidade, alugada a empresas especializadas com contratos a correr e firmados por anteriores governos. Não está em causa a opção por este tipo de solução, a questão é a forma como se aplica. Na situação em que o País está, não é possível que os BMW’s e AUDI’s de topo de gama continuem a transportar por todo o lado os nossos governantes, e afins. A gama deve ser alterada para baixo.

 

O que importa destacar é a forma como se aplicam diferentes “pesos e medidas” para fins idênticos. A redução da despesa também deve incidir neste tipo de equipamento. Mesmo alugados, carros de 20 ou 30 mil euros fazem o mesmo efeito que outros mais caros e, com certeza, a fatura do aluguer baixa consideravelmente.

  

Se eu andasse por aí a pregar austeridade, teria grandes problemas de consciência em usar, mesmo sendo alugado, uma viatura de 70 ou 80 mil euros. Não sendo obrigado a utilizá-lo, decerto exigiria que me arranjassem outro carro mais em conta.

 

Silvestre Félix

publicado por voltadoduche às 17:40
tags: ,

Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
17

18
23
24

25
26
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO