A volta das voltas. Chegamos, partimos e lá voltamos sempre!

29
Ago 11

Dos “anéis” que estamos vendedores, quase todos estratégicos para mantermos alguma soberania económica, o das “Águas de Portugal” é o que mais me custa engolir.

 

Qualquer uma das empresas em questão, pode, dum momento para o outro, deixar de ser nacional com a consequente mudança do centro de decisão para um outro local no mundo. Na maior parte dos casos, em qualquer altura, outro capital português, pode iniciar a construção de organização similar à TAP, à PT, EDP, etc., etc., ou seja, a concorrência pode funcionar. O mesmo não pode acontecer em relação às “Águas de Portugal”. O objeto de exploração – a ÁGUA, está fisicamente no território nacional.

 

A água é um bem essencial à vida que, a não ser invertida a tendência, vai diminuir em quantidade disponível nas próximas décadas. É irresponsável e condenável que a “nossa ÁGUA faça parte da negociata com a Troika.

 

Sem que seja necessário pôr em causa o acordo, a privatização das “Águas de Portugal” deve ser travada e anulada. Não será com o remanescente desta venda que vamos salvar o País. Os portugueses de brandos costumes, devem defender a “nossa ÁGUA” usando todas as formas ao nosso alcance como já aconteceu noutros países onde a mesma questão esteve em debate.

 

Silvestre Félix

publicado por voltadoduche às 16:17

Por acaso temos cá na vila uma bica que verte constantemente um caudal considerável.É de nascente e sempre foi assim.Quando se instalou cá no sitio uma fábrica, também ela explorando água de nascente, queriam os responsáveis fechar a bica, talvez receosos que a usina iria secar o caudal.A população impôs-se e tudo continua assim na mesma.Por quanto tempo mais?
vitalux a 29 de Agosto de 2011 às 17:47

Agosto 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO