A volta das voltas. Chegamos, partimos e lá voltamos sempre!

15
Jul 12

Os passantes não param! Andam, andam…quase correm para não chegarem atrasados ao trabalho, se for de manhã, ou ao comboio, se for ao final do dia. O bitoque do Califórnia fica para quem lá está e o digestivo do Brithis Bar fica para os que lá vão…e não são os passantes…na paralela o Tejo sempre acompanhava o andamento olhando para a doca da “Lisnave” que rivalizava em visibilidade com o Cristo Rei.


Observando e ouvindo aquelas passadas com ritmo certo e habituado ao terreno todos os dias pisado.

 

Tantos rostos cruzados, tantos olhares vistos e a escuridão permanece!

 

A Intersindical, acabada de nascer, ainda não era CGTP. Os bancários já andavam em luta e atenderam aos balcões de gravata preta. A pide que era DGS, ouvia, prendia e torturava e os militares continuavam a chegar ao cais de Alcântara e Rocha para um navio a abarrotar os levar até “às Áfricas”. Tudo acontecia lá sem se saber muito bem o quê. Por cá, todos os dias lá passavam à frente mas não sabiam nada do Brithis Bar nem do Califórnia, quanto mais das Guerras “nas Áfricas”.

 

Só algum tempo mais, contado p’raí em três ou quatro anos, os passantes viram os enormes caixotes de madeira descarregados e deixados no mesmo cais donde embarcavam os “magalas”. Viam os caixotes com nomes escritos em parangonas mas não imaginavam que, dentro de cada um deles, estava uma vida inteira.


Daquela Janela do Terceiro Andar, conseguia ver o tempo…


Silvestre Félix

publicado por voltadoduche às 17:39

Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
21

22
23
24
25
27
28

29
30
31


mais sobre mim
pesquisar
 
HOJE VIERAM VISITAR-ME

contador gratis
DESDE 14.06.2009
Free Counter
Free Counter
PELO MUNDO FORA DESDE 28.10.2009
Locations of visitors to this page
blogs SAPO