A volta das voltas. Chegamos, partimos e lá voltamos sempre!

26
Abr 11

Em resultado das próximas eleições, para que haja um governo apoiado por uma maioria parlamentar, vai ser necessário, que, pelo menos, dois partidos se entendam. É praticamente garantido que ninguém vai conseguir maioria absoluta.

 

Cavaco Silva não é o meu Presidente nem nunca foi o destinatário do meu voto, logo, é natural que não tenha gostado do discurso de ontem. Mas também não é isso que justifica sermos injustos na análise das suas palavras.

 

Quando alguns por aí, justificando a sua incapacidade no estabelecimento dum diálogo mínimo, mas suficiente para criar uma frente nacional capaz de negociar com as instituições estrangeiras, lançam areia para os olhos dos portugueses comparando a necessidade de entendimento pluripartidário, com o partido único do regime fascista que se chamava “união nacional”.

 

É pura demagogia utilizar a terminologia “união nacional” naquele sentido. Se não têm competência para defender os interesses nacionais que o assumam.

 

Os portugueses exigem que “eles” se entendam por Portugal e pelo seu Povo.

 

Silvestre Félix

publicado por voltadoduche às 20:26
tags:

Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


22
23

24


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
HOJE VIERAM VISITAR-ME

contador gratis
DESDE 14.06.2009
Free Counter
Free Counter
PELO MUNDO FORA DESDE 28.10.2009
Locations of visitors to this page
blogs SAPO