A volta das voltas. Chegamos, partimos e lá voltamos sempre!

24
Dez 10

 

Era uma vez, uma tesoura muito grande e muito, mas mesmo muito valiosa, à custa das mais-valias acumuladas nos offshores obesos de tanto dinheiro comerem.

 

A tesoura está em modo de corte permanente.

 

A maneira como mais gosta de apanhar as vítimas é de cócoras. Esta posição favorece a amplitude do ganho vitamínico e especulativo.

 

As instruções de funcionamento são muito precisas. Os cortes têm de ser cirúrgicos de forma a não eliminar prematuramente a vítima. Assim, de nível a nível, o “cortado” vai continuando a vomitar q.b., para alimentar na dose certa os mercados que, nos seus resort’s resguardados, vão jogando cartadas antes de saltarem ao tabuleiro de xadrez para o xeque-mate.

 

Cada vítima, para além das hastes da tesoura dourada no pescoço, ainda têm, a roer os seus calcanhares, vários vigilantes encaixados nos respectivos Órgãos de Soberania, com o fim de defenderem bem os interesses declarados dos mercados.

 

Esta, embora comece por um: “era uma vez”, não é uma história da carochinha para os putos adormecerem.

 

É muito real e, se não nos pomos a pau, somos nós, os adultos e portugueses, que iniciamos um sono profundo sem bilhete de regresso.

 

SBF

publicado por voltadoduche às 15:59

Dezembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





mais sobre mim
pesquisar
 
HOJE VIERAM VISITAR-ME

contador gratis
DESDE 14.06.2009
Free Counter
Free Counter
PELO MUNDO FORA DESDE 28.10.2009
Locations of visitors to this page
blogs SAPO