A volta das voltas. Chegamos, partimos e lá voltamos sempre!

22
Nov 10

 

O tempo que o tempo cobra pela juventude que fica, é muito caro para o nosso nível de felicidade. O vício de nivelar o “material”, e deixar sem fasquia o “imaterial”, deixa-nos sem margem para acreditarmos na nossa capacidade regenerativa – mesmo com elixir – da juventude!

 

Não são poucas vezes que passa o gigantesco ecrã com todas as imagens projetadas daquele tempo que o tempo guardou. A memória, no papel de ferramenta de arrumação, empresta-nos o real lembrado e, com a pitada certa de tempero no tempo, selecionamos e encaminhamos para a tela, os momentos, as coisas e as pessoas, pelos bons ou maus motivos. No que me toca, só escolho pelos bons motivos.

 

Voltando ao tempo guardado pelo tempo, também ele tem folga para aplicar a sua própria vontade, o seu livre arbítrio. Consegue sobrepor-se à memória, manipulando-a, e impondo o sentimento ou imagem que, no seu juízo temporal, são os meus preferidos e os que me fazem feliz.

 

Tantos tempos na minha juventude real foram bem escolhidos e eufóricos com a crença na eternidade do amor.

 

Os tempos davam sempre tempo para recuperar algum passo perdido mas, as passadas foram sendo cada vez maiores e, quando o tempo já não tinha tempo de recuperação, acreditei, finalmente, que a memória não tem limite e que, com ou sem elixir, a juventude pode permanecer até quando eu quiser.

 

SBF

publicado por voltadoduche às 16:51

Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
HOJE VIERAM VISITAR-ME

contador gratis
DESDE 14.06.2009
Free Counter
Free Counter
PELO MUNDO FORA DESDE 28.10.2009
Locations of visitors to this page
blogs SAPO